sábado, 24 de setembro de 2016

Eu não me aproximo mais. Não tenho o encontrado com tanta frequência. Deixei estar. Fui me decepcionando, não por sua culpa, mas por ter idealizado alguém que você não era. Por ter acreditado que você era especial, diferente dos infinitos que existem por aí. Mas você não era. Você era um igual. Igual a todos os outros que buscam e acreditam no que é fútil. Gente que se preenche de vazio pra se satisfazer. Eu lamento. Lamento por mim, por ter sido tão iludida. Lamento por você, por não ser tão essencial assim. E por fim, talvez você nem tenha sido o meu melhor rascunho. Talvez tenha sido só um rascunho qualquer.

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Incríveis boas gentes

Quantas boas pessoas existem no mundo? Quantas nós conhecemos? Quantas pessoas possuem uma vibe tão boa que parece inacreditável que ainda não as conhecíamos? Todo dia a gente cruza com tanta gente desconhecida, tanta gente do qual não sabemos nada e que possivelmente nunca saberemos. Imagina a quantidade de gente incrível que já passou do nosso lado e as nossas vidas nem se encontraram? Esse papo todo é pra dizer que por mais só que eu me sinta sempre terei a esperança de que novas e incríveis pessoas apareçam. Atualmente elas têm surgido de todos os cantos, por motivos diversos e contato nem tão recíprocos, mas muito especiais. Acredito que em cada pessoa deixamos uma marca, às vezes nem é algo perceptível ou intenso, mas sempre tem algo guardadinho. Um gesto, uma palavra, um sorriso, um olhar. Marcas singularmente enriquecidas pelas emoções e bem-estar. Algumas [muitas] pessoas entraram na minha vida pela sonoridade, pela música, pela poesia dos versos rimados. E a cada dia, a cada nova musical descoberta, um expandir de bons sentimentos reforçam tudo aquilo que falei no início do texto. E eu só tenho a agradecer e me sentir com muita sorte por encontrá-los. 


P.S.: Especial para Gus [Garoto] e Vini incríveis sonoridades vindas ao vento, de longe, e que, como um abraço amigo, me envolvem e acompanham nestes dias mais apressados e nervosos. Trazendo toda calmaria necessária pra se alcançar a paz. Obrigada!

sábado, 17 de setembro de 2016

Sobre ela

Quem é ela? Uma visão vasta, de um todo-pouco quase mal vivido, mas um bocado especial. Quem é ela? Uma menina de olhos castanhos míopes, uma ironia pra ela que vê o mundo muito além das lentes que a fazem enxergar. Quem é ela? Uma voz muda, que grita por dentro, e ouvidos muito atentos, a fim de ouvir até mesmo a palavra não dita. Quem é ela? Um ser imperfeito, cheio de defeitos, que soluça ao errar e resmunga sem parar. Quem é ela? Um humor clássico de senso comum. Quem é ela? Uma boba, infantil e sonhadora tentando ser livre. Quem é ela? Alguém que acredita que a vida está cheia de incríveis bons seres máximos de luz e que, provavelmente, ela não é um deles. Quem é ela? Alguém que espera um dia emanar como um ser de luz. Quem é ela? Uma pontinha de iceberg em um dia de sol. Quem é ela? Uma poesia concreta com letras de canções. Quem é ela? Um arranjo simples de sonhos. Quem é ela? Um balde de sentimentos, de uma fidelidade extrema e um amor maior à uma tristeza e melancolia arrasadoras. Quem é ela? Um passo descompassado de uma dança e uma desafinação satisfeita por não saber cantar; e ser muito feliz com tudo isso. Quem é ela? Uma partida de futebol narrada a plenos pulmões, como se todo dia fosse uma final com clássico. Quem é ela? Sentidos e vontades, à flor da pele e em arrepios. Quem é ela? Quem é ela? Qualquer um no mundo, que caminhe por aí, que se doe um pouco, que erre, que faça de cada dia um dia. 

Despedida

Despedida, Momento estranho que marca uma vida. Momento especial que demostra o grau de importância que temos. Que pode gerar afeto e carinho. Faz da vida algo infinitamente especial e raro. Numa despedida a gente enxerga amor e gratidão nos olhos das pessoas. Enche o coração de sentimentos. Às vezes doídos, às vezes de alívio, às vezes de uma profunda paz. Despedida, momento certeiro pra aprender, respeitar, agradecer e de entender que nem toda despedida é um fim. 

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

Siga Esse Som...

O Siga esse som de setembro vem com uma voz forte cheia de rock, vem com a banda Zimbra que conheci há pouco e já me fez bem. 

Viva
Zimbra

Eu queria poder mudar
Todas as plantas do seu jardim antes de te acordar
Eu só queria um pouco mais de tempo pra me acostumar

Eu gostaria de recomeçar
Aquilo tudo que eu te falei, antes de viajar
E me perder um pouco mais a cada dia que eu passei por lá
Deixa eu fazer diferente
Deixa eu mostrar que a confusão que a gente
Faz é parecida entre a gente
Quem é que vai nos proteger agora?

Por isso viva
Independente do que te aconteça
Embora não pareça eu sempre estarei do seu lado pra ajudar
Pra te ouvir reclamar, das coisas simples que você
Sempre transforma num problema

Mas agora, você me manda ir embora
Eu sempre estive fora de cogitação
Eu nunca quis ouvir demais o coração
Que sempre me falou
Que eu gostava tanto de você amor.

quinta-feira, 1 de setembro de 2016