domingo, 30 de dezembro de 2012

...

Sonho solidão, sonho de solidão, solidão de sonho... vida que segue na solidão sem deixar de ser um sonho, de ter um sonho. Muitos caminhos, muitas solidões, muitos sonhos, muitas vidas deixadas de serem vividas por conta da solidão ou de um sonho. Trilhas não trilhadas, caminhos não caminhados, sonhos não sonhados. Distâncias que impedem a vida de seguir, de caminhar, de sonhar. Sonho que leva a vida a solidão. Solidão que leva a vida a um sonho. Caminhos contrários que caem no mesmo lugar, que carregam a vida na mesma direção. Que diferença fará, então, este ou aquele caminho se dará no mesmo destino? A diferença não é o destino, mas o caminho que seguido. Cada caminho é uma experiência, cada caminho tem algo único para ser visto. Sendo indiferente se o que te leva é o sonho ou a solidão, ou os dois, tanto faz. Sempre será diferente. O que resta fazer é escolher qual seguir. Como se fosse fácil. Na hora da escolha o que pesará será os sentimentos, cabe ao estado de espirito indicar a direção que deva ser seguida para chegar ao destino.

Era dessas...

Era dessas ditas nascidas ao avesso. Dessas que assistem programas de venda e leem classificados por pura diversão, que quando viajam preferem fazer conexões em diversos aeroportos em vez de pegar um voo direto. Apenas por acreditar que em tudo pode encontrar um motivo para sorrir, que vê em cada experiência uma razão para sonhar. Era dessas que sonha a cada minuto, a cada segundo, que vive um sonho eterno dentro da realidade. Era dessas de pé no chão e mente no céu. Era dessas de sorriso fácil e choro calado. Era dessas que falava, cantava, dançava e vivia sozinha. Pertencente a outra atmosfera, sentia-se fora de órbita, mas tão pouco ligava. Era dessas ditas estranhas, esquisitas, feias... quando mais simpático era gentilmente nomeada de diferente. Afinal, quem era igual? Questionava-se, contudo logo voltava a sua singularidade que a permitia transcender qualquer comentário depreciativo. Era dessas que possuem brilho no olhar e sinceridade no falar. Reflexiva e flexível. Invisível, imprevisível, inesquecível. Inquestionavelmente feliz e satisfeita com a vida. Era dessas que se fazem existente um pouco dentro de mim, de você, de todas. Aquela que apesar de escondida é sentida. Talvez uma incógnita, talvez uma solução. Mas quem pode saber?!

sábado, 29 de dezembro de 2012

...

"Quando uma pessoa nos magoa ou nos engana, ficamos com raiva dela, mas ficamos mais irritados ainda quando ela nos faz de idiota." (Mickey Bolitar em Refúgio)

Acho que era isso que deveria ter te dito. Queria que você entendesse o que fez e se desculpasse. Mas, na raiva, as palavras corretas não vieram e não pude fazer-me compreender. Então você só se desculpou, sem acreditar que haveria motivos reais para isso, mas não questionou. Afinal, para você não era nada de mais. Bem verdade que, para quem magoa, nunca é algo de mais. Já se passaram quanto tempo? Não sei. Também não importava mais... quer dizer não até hoje, quando subitamente a lembrança daquele dia veio a toa assim que li esta frase no livro. Foi como se tudo, enfim, tivesse começado a terminar. Como se a justificativa esperada tivesse surgido para, mais do que te esclarecer, me esclarecer do que eu mesma estava sentindo, pensando. O interessante que encontrar esta frase fez com que um sorriso se instalasse em mim e não, como poderia se imaginar, mais raiva ou indignação. Ficou apenas aquele sensação de perfeição e de que, a partir de agora, tudo fazia mais sentido. 

...

Um dia, sem mais, foi como se ela estivesse sorrindo para mim. Mas como? Seria algo impossível de acontecer, ainda mais pra mim... um ser tão invisível. Se foi um sorriso... foi doce, inesperado sem dúvida. Um sorriso seguido de um olhar penetrante como quem diz "olha, estou sempre aqui... pode contar comigo se quiser", olhar sutil, sensível, aconchegante. Daqueles que nos trazem paz, que invadem nossos corações sem pedir licença  e sem a menor cerimônia, mas que não incomodam... tão pouco são repelidos. Afinal, são sutis, harmoniosos, gentis. Outro dia, ela ainda estava lá, me fitando com os olhos brilhantes e o sorriso doce. Não me vinha a cabeça motivos para tamanha simpatia, de graça e do nada. Continuei a admirá-la sem compreender. Assim se fez durante dias, dias e mais dias. Desde então se passaram dezenove anos e ela ainda está lá olhando e sorrindo para mim. Às vezes demorando um tanto para aparacer, outras vezes surgindo antes do esperado e, tem dias, parecendo que nem foi embora. Surge de formas e aspectos variados, mas depois de tanto tempo, e apesar de tantas fases, a reconheço diante de uma imensidão estrelada. Apesar de qualquer coisa, ela nunca deixou de me desejar uma "boa noite" seguida de um "bons sonhos" com o mesmo sorriso e o mesmo olhar conhecido desde que a vi pela primeira vez e nunca esquecido. Confesso que levei um tempo até acreditar que a sutileza era destinada a mim, contudo, desde que percebi tratei de retribuir com o meu melhor sorriso e olhar sempre carinhosos e agradecidos. Afinal, não é todo dia que se descobre uma amiga tão sincera assim, tão disposta a estar por perto, que vivência nossos melhores e piores momentos sem interferir, sem dá pitaco, sem querer ser a voz da razão, que vê nossos erros, mas não os julga. Uma amiga que só deseja estar na nossa presença, onde podemos depositar a confiança, onde podemos encontrar o sorriso e o olhar que nos abraçam de verdade. Onde veio, para onde vai... não sei se faz parte de mim questioná-la ou exigir uma fidelidade presencial obrigatória eterna. Apenas um ser livre, entretanto a certeza que sua presença será eterna na minha vida se faz dentro do meu  existir. 



segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Então, é Natal...

Ora, ora... chegou o Natal, tempo de renovação, reflexão, de bons pensamentos, alegria e muito, muito amor no coração. Maneira mais comum de iniciar um post natalino, contudo não menos louvável. Afinal, apesar do "lugar-comum", essa é de fato a real intenção do Natal. Como fugir dos fatos seria perda de tempo e de originalidade, venho por meio desta comunicar os meus mais profundos sentimentos e votos pelo que esta data representa. 
Entretanto, não custa nada relembrar algumas coisas clichês que, apesar de clichês, deveras são esquecidas por nós, meros mortais com tendência a crer em permanência definitiva por esta Terra. Contudo, apesar de esquecidas são citadas por alguns, como eu talvez (não importa por quem!). Enfim, Natal é o nascimento de um homem muito bom que olha por nós junto ao Pai. Seu nome, Jesus Cristo. Como é do conhecimento de todos, Ele sofreu por nós, sofreu por amor, deixando para nós um exemplo de amor enorme. Mesmo sendo conhecimento de todos (ou de uma parcela significativa da população mundial) esse período do ano é invadido pelo consumismo e pelo "merchan" ostensivo (e, por vezes, ofensivo) do comércio mundial. Desta maneira, o Natal fica resumido a presentes, presentes e a papai noel (isso porquê ele vai trazer presentes, claro!). 
Quando as mensagens bonitas de reflexão e os desejos de positividade são mencionados remetem, muitas vezes, apenas a esta data especial. O que, realmente, é maravilhoso, pois é o nascimento de Cristo que deve ser comemorado com muitas coisas boas. Contudo, seria interessante que toda essa onda de positividade e amor ao próximo fosse lembrada à todo instante e mais, que fosse vivenciada de verdade por todos nós. Pois, foi essa mensagem, essa missão que Jesus veio cumprir. Nos ensinar o amor, nos trazer a paz, a harmonia, a fraternidade e, principalmente, nos mostrar como praticá-la. Afinal, não tem prova de amor maior do que a que Ele nos deu. 
Então, vamos viver mais os sentimentos bons, deixar tudo que nos magoa de lado, relevar algumas coisas, praticar a tolerância, a paciência e a compreensão com o próximo e com nós mesmos. Viver mais em Cristo, ter mais fé todos os dias. Eu sei que erro muito, que sou por vezes intolerante, extremista, que quando fico zangada não tenho a menor cerimônia em demostrar e acabo me tornando uma navalha (vish, só coisa boa hein?!Só que não!) vou tentar melhorar. Tenho certeza que, só pelo fato de está criando consciência disso, tenho todas as chances de mudar. 
Enfim... fica a reflexão e o desejo de um Natal feliz recheado de coisas boas para todos nós, e de uma vida repleta por tantas outras felicidades e sentimentos bons. 


Árvore do facebook dos Torcedores do Vasco. Achei lindona!

sábado, 22 de dezembro de 2012

Uma voz, muitas músicas.

Um dia em 2010 me encantei com a voz de um menino durante a apresentação de sua banda (que até então eu não conhecia) no lançamento do cd de outra banda (Confuso? Nenhum pouco! rs). Desde então comecei a acompanhar a banda do menino e ir aos shows (sempre que possível!).
Só que, esse ano, o menino da voz encantadora iniciou carreira solo e eu, como boa ouvinte e fã que sou, procurei acompanhar esta nova fase na carreira do Phill Veras. Desde de então é só felicidade, a cada canção divulgada é como se uma onda de puro amor abatesse sobre a Terra. Não que eu esteja exagerando, imagina, é só a verdade. 
As letras e a voz do Phill possuem tamanha harmonia que contagiam, fazendo como que se tenha como único desejo ouvi-lo. É confortante. Várias das canções me fazem pensar tanto na minha vida, em como encaro e em como eu gostaria que as coisas fossem/acontecessem. 
Não faço a menor ideia se já passou pela cabeça dele a forma com que suas músicas entram nas vidas da pessoas e em como, de certa forma, ele passa a fazer parte da vida de pessoas que nem sonha em conhecer. Acho que essa deve ser uma das formas de reconhecimento mais gratificante. Afinal, quando as pessoas permitem que alguém entre em suas vidas, mesmo que de forma simbólica, por um motivo tão louvável que é a música acabam tendo, pelo artista, um carinho, uma estima, desejando só coisas boas como se fosse um familiar. 
Bom, é isso que desejo à ele. Muito sucesso, felicidade, tudo de melhor e que suas músicas e sua voz continue tocando meu coração e minha alma, e que a cada dia chegue a mais corações e almas por aí. 


Obs.: Ontem teve show, lançamento do disco "Valsa e Vapor" e foi bem lindo! 
Esse é meu e autografado. ;)
Mais Phill Veras em:  


Vai chegando o fim do ano...

Fim de ano é sempre engraçado, afinal é sempre recheado de lembranças de um ano inteiro. 2012 foi um ano intenso, contudo breve. Foram tantas coisas para fazer, tantas outras aconteceram, tanta gente fina nova que conheci que o registro de todos os fatos ainda não foram totalmente processados. Daqui pro fim de dezembro fica tudo ok.
A intenção desse post não é bem fazer uma retrospectiva de tudo, até porque escrever sobre tudo é chato e cansativo, e sim falar de como em um ano muita coisa mudou. Soa clichê demais dizer que, durante todo 2012, bateu uma saudade do ensino médio, dos amiguinhos e coleguinhas conquistados no três anos anteriores? Soa clichê e repetitivo demais dizer que "ainda não sinto a faculdade como um lugar meu também"? Apesar de amar loucamente o meu curso lindo e encantador. 
O fato é que achei que após um ano na faculdade, o sinistro vazio assustador que habitava a minha essência iria passar. Porém, não, não passou. Ainda sinto como se a qualquer momento fosse me deparar com meus amiguinhos/coleguinhas do IFMA estudando na mesma sala que eu. A realidade é que isso não vai acontecer. Sei bem. A sensação que fiquei foi de abandono. 
Gosto da galerinha que conheci e disso não tenho dúvida, mas fico com a ideia de que o tempo vai passar e nada vai se solidificar. A sensação de que, quando terminar a faculdade, vai cada qual para seu canto batalhar por sua vida e ponto final. Talvez eu esteja enganada, mas, por enquanto, o que ainda fica é a ideia de que a fau é apenas uma sala de espera de aeroporto e que, quando menos esperar, o voo vai chegar e vou partir. 
É até egoísta sentir isso, não sei. Pode parecer que eu é que não estou afim de criar laços mais extensivos. Para o ano que vem desejo que seja breve e intenso também, afinal, gostei desta fórmula. Contudo desejo que esse vazio que me incomoda desapareça e que eu conquiste amigos tão inesquecíveis quanto os que conquistei no IFMA. Ah, vale ressaltar que dois dos meus melhores amigos só conquistei no último ano da escola. Espero, também, tê-los perto de mim por muito tempo ainda. 
Em 2012 mudei bastante. Apesar de me sentir meio só, quase não chorei (o que é um avanço magnífico para manteigas derretidas como eu). Alternância entre preocupações, felicidades, pressões, bom humor, sacrifício, sorriso largo... tudo regado à música e leitura (como poderia ser diferente?). Sinto-me mais contida com pensamentos e com uma tendência clarividente mais aguçada, contudo isso já é outra história. 2012, foi acima de qualquer coisa um ano de aprendizagem continua e experiências extremamente enriquecedora. Foi bom, foi simpático. Agora é fechar pra balanço com uma retrospectiva pessoal intransferível não compartilhada. Até mais...

Aos lindos: Bruno, Beatriz, Manuelle, Diego e Fabiana. 
Aos simpáticos "fausianos": Auricéia, Nubiane, Monique, Marcos, Paula (da minha sala) e Pauliane, Rianny e Rebecca ( do 3º período, agora 4º).

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Siga esse som...


Dezembro sendo feliz e eu mais feliz ainda por descobrir que  uma música de Homem-Aranha 3, que sempre que ouvia ficava contente, é de Snow Patrol. Então aí está: 

Signal Fire

Snow Patrol

The perfect words never crossed my mind
Cause there was nothing in there but you
I felt every ounce of me, screaming out
But the sound was trapped deep in me

All I wanted, just sped right past me
But I was rooted fast to the earth
I could be stuck here for a thousand years
Without your arms to drag me out

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

No, I won't wait forever (x2)

In the confusion, and the aftermath
You are my signal fire
The only resolution and the only joy
Is the faint spark of forgiveness in your eyes

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

No, I won't wait forever (x3)