domingo, 30 de dezembro de 2012

...

Sonho solidão, sonho de solidão, solidão de sonho... vida que segue na solidão sem deixar de ser um sonho, de ter um sonho. Muitos caminhos, muitas solidões, muitos sonhos, muitas vidas deixadas de serem vividas por conta da solidão ou de um sonho. Trilhas não trilhadas, caminhos não caminhados, sonhos não sonhados. Distâncias que impedem a vida de seguir, de caminhar, de sonhar. Sonho que leva a vida a solidão. Solidão que leva a vida a um sonho. Caminhos contrários que caem no mesmo lugar, que carregam a vida na mesma direção. Que diferença fará, então, este ou aquele caminho se dará no mesmo destino? A diferença não é o destino, mas o caminho que seguido. Cada caminho é uma experiência, cada caminho tem algo único para ser visto. Sendo indiferente se o que te leva é o sonho ou a solidão, ou os dois, tanto faz. Sempre será diferente. O que resta fazer é escolher qual seguir. Como se fosse fácil. Na hora da escolha o que pesará será os sentimentos, cabe ao estado de espirito indicar a direção que deva ser seguida para chegar ao destino.

Era dessas...

Era dessas ditas nascidas ao avesso. Dessas que assistem programas de venda e leem classificados por pura diversão, que quando viajam preferem fazer conexões em diversos aeroportos em vez de pegar um voo direto. Apenas por acreditar que em tudo pode encontrar um motivo para sorrir, que vê em cada experiência uma razão para sonhar. Era dessas que sonha a cada minuto, a cada segundo, que vive um sonho eterno dentro da realidade. Era dessas de pé no chão e mente no céu. Era dessas de sorriso fácil e choro calado. Era dessas que falava, cantava, dançava e vivia sozinha. Pertencente a outra atmosfera, sentia-se fora de órbita, mas tão pouco ligava. Era dessas ditas estranhas, esquisitas, feias... quando mais simpático era gentilmente nomeada de diferente. Afinal, quem era igual? Questionava-se, contudo logo voltava a sua singularidade que a permitia transcender qualquer comentário depreciativo. Era dessas que possuem brilho no olhar e sinceridade no falar. Reflexiva e flexível. Invisível, imprevisível, inesquecível. Inquestionavelmente feliz e satisfeita com a vida. Era dessas que se fazem existente um pouco dentro de mim, de você, de todas. Aquela que apesar de escondida é sentida. Talvez uma incógnita, talvez uma solução. Mas quem pode saber?!

sábado, 29 de dezembro de 2012

...

"Quando uma pessoa nos magoa ou nos engana, ficamos com raiva dela, mas ficamos mais irritados ainda quando ela nos faz de idiota." (Mickey Bolitar em Refúgio)

Acho que era isso que deveria ter te dito. Queria que você entendesse o que fez e se desculpasse. Mas, na raiva, as palavras corretas não vieram e não pude fazer-me compreender. Então você só se desculpou, sem acreditar que haveria motivos reais para isso, mas não questionou. Afinal, para você não era nada de mais. Bem verdade que, para quem magoa, nunca é algo de mais. Já se passaram quanto tempo? Não sei. Também não importava mais... quer dizer não até hoje, quando subitamente a lembrança daquele dia veio a toa assim que li esta frase no livro. Foi como se tudo, enfim, tivesse começado a terminar. Como se a justificativa esperada tivesse surgido para, mais do que te esclarecer, me esclarecer do que eu mesma estava sentindo, pensando. O interessante que encontrar esta frase fez com que um sorriso se instalasse em mim e não, como poderia se imaginar, mais raiva ou indignação. Ficou apenas aquele sensação de perfeição e de que, a partir de agora, tudo fazia mais sentido. 

...

Um dia, sem mais, foi como se ela estivesse sorrindo para mim. Mas como? Seria algo impossível de acontecer, ainda mais pra mim... um ser tão invisível. Se foi um sorriso... foi doce, inesperado sem dúvida. Um sorriso seguido de um olhar penetrante como quem diz "olha, estou sempre aqui... pode contar comigo se quiser", olhar sutil, sensível, aconchegante. Daqueles que nos trazem paz, que invadem nossos corações sem pedir licença  e sem a menor cerimônia, mas que não incomodam... tão pouco são repelidos. Afinal, são sutis, harmoniosos, gentis. Outro dia, ela ainda estava lá, me fitando com os olhos brilhantes e o sorriso doce. Não me vinha a cabeça motivos para tamanha simpatia, de graça e do nada. Continuei a admirá-la sem compreender. Assim se fez durante dias, dias e mais dias. Desde então se passaram dezenove anos e ela ainda está lá olhando e sorrindo para mim. Às vezes demorando um tanto para aparacer, outras vezes surgindo antes do esperado e, tem dias, parecendo que nem foi embora. Surge de formas e aspectos variados, mas depois de tanto tempo, e apesar de tantas fases, a reconheço diante de uma imensidão estrelada. Apesar de qualquer coisa, ela nunca deixou de me desejar uma "boa noite" seguida de um "bons sonhos" com o mesmo sorriso e o mesmo olhar conhecido desde que a vi pela primeira vez e nunca esquecido. Confesso que levei um tempo até acreditar que a sutileza era destinada a mim, contudo, desde que percebi tratei de retribuir com o meu melhor sorriso e olhar sempre carinhosos e agradecidos. Afinal, não é todo dia que se descobre uma amiga tão sincera assim, tão disposta a estar por perto, que vivência nossos melhores e piores momentos sem interferir, sem dá pitaco, sem querer ser a voz da razão, que vê nossos erros, mas não os julga. Uma amiga que só deseja estar na nossa presença, onde podemos depositar a confiança, onde podemos encontrar o sorriso e o olhar que nos abraçam de verdade. Onde veio, para onde vai... não sei se faz parte de mim questioná-la ou exigir uma fidelidade presencial obrigatória eterna. Apenas um ser livre, entretanto a certeza que sua presença será eterna na minha vida se faz dentro do meu  existir. 



segunda-feira, 24 de dezembro de 2012

Então, é Natal...

Ora, ora... chegou o Natal, tempo de renovação, reflexão, de bons pensamentos, alegria e muito, muito amor no coração. Maneira mais comum de iniciar um post natalino, contudo não menos louvável. Afinal, apesar do "lugar-comum", essa é de fato a real intenção do Natal. Como fugir dos fatos seria perda de tempo e de originalidade, venho por meio desta comunicar os meus mais profundos sentimentos e votos pelo que esta data representa. 
Entretanto, não custa nada relembrar algumas coisas clichês que, apesar de clichês, deveras são esquecidas por nós, meros mortais com tendência a crer em permanência definitiva por esta Terra. Contudo, apesar de esquecidas são citadas por alguns, como eu talvez (não importa por quem!). Enfim, Natal é o nascimento de um homem muito bom que olha por nós junto ao Pai. Seu nome, Jesus Cristo. Como é do conhecimento de todos, Ele sofreu por nós, sofreu por amor, deixando para nós um exemplo de amor enorme. Mesmo sendo conhecimento de todos (ou de uma parcela significativa da população mundial) esse período do ano é invadido pelo consumismo e pelo "merchan" ostensivo (e, por vezes, ofensivo) do comércio mundial. Desta maneira, o Natal fica resumido a presentes, presentes e a papai noel (isso porquê ele vai trazer presentes, claro!). 
Quando as mensagens bonitas de reflexão e os desejos de positividade são mencionados remetem, muitas vezes, apenas a esta data especial. O que, realmente, é maravilhoso, pois é o nascimento de Cristo que deve ser comemorado com muitas coisas boas. Contudo, seria interessante que toda essa onda de positividade e amor ao próximo fosse lembrada à todo instante e mais, que fosse vivenciada de verdade por todos nós. Pois, foi essa mensagem, essa missão que Jesus veio cumprir. Nos ensinar o amor, nos trazer a paz, a harmonia, a fraternidade e, principalmente, nos mostrar como praticá-la. Afinal, não tem prova de amor maior do que a que Ele nos deu. 
Então, vamos viver mais os sentimentos bons, deixar tudo que nos magoa de lado, relevar algumas coisas, praticar a tolerância, a paciência e a compreensão com o próximo e com nós mesmos. Viver mais em Cristo, ter mais fé todos os dias. Eu sei que erro muito, que sou por vezes intolerante, extremista, que quando fico zangada não tenho a menor cerimônia em demostrar e acabo me tornando uma navalha (vish, só coisa boa hein?!Só que não!) vou tentar melhorar. Tenho certeza que, só pelo fato de está criando consciência disso, tenho todas as chances de mudar. 
Enfim... fica a reflexão e o desejo de um Natal feliz recheado de coisas boas para todos nós, e de uma vida repleta por tantas outras felicidades e sentimentos bons. 


Árvore do facebook dos Torcedores do Vasco. Achei lindona!

sábado, 22 de dezembro de 2012

Uma voz, muitas músicas.

Um dia em 2010 me encantei com a voz de um menino durante a apresentação de sua banda (que até então eu não conhecia) no lançamento do cd de outra banda (Confuso? Nenhum pouco! rs). Desde então comecei a acompanhar a banda do menino e ir aos shows (sempre que possível!).
Só que, esse ano, o menino da voz encantadora iniciou carreira solo e eu, como boa ouvinte e fã que sou, procurei acompanhar esta nova fase na carreira do Phill Veras. Desde de então é só felicidade, a cada canção divulgada é como se uma onda de puro amor abatesse sobre a Terra. Não que eu esteja exagerando, imagina, é só a verdade. 
As letras e a voz do Phill possuem tamanha harmonia que contagiam, fazendo como que se tenha como único desejo ouvi-lo. É confortante. Várias das canções me fazem pensar tanto na minha vida, em como encaro e em como eu gostaria que as coisas fossem/acontecessem. 
Não faço a menor ideia se já passou pela cabeça dele a forma com que suas músicas entram nas vidas da pessoas e em como, de certa forma, ele passa a fazer parte da vida de pessoas que nem sonha em conhecer. Acho que essa deve ser uma das formas de reconhecimento mais gratificante. Afinal, quando as pessoas permitem que alguém entre em suas vidas, mesmo que de forma simbólica, por um motivo tão louvável que é a música acabam tendo, pelo artista, um carinho, uma estima, desejando só coisas boas como se fosse um familiar. 
Bom, é isso que desejo à ele. Muito sucesso, felicidade, tudo de melhor e que suas músicas e sua voz continue tocando meu coração e minha alma, e que a cada dia chegue a mais corações e almas por aí. 


Obs.: Ontem teve show, lançamento do disco "Valsa e Vapor" e foi bem lindo! 
Esse é meu e autografado. ;)
Mais Phill Veras em:  


Vai chegando o fim do ano...

Fim de ano é sempre engraçado, afinal é sempre recheado de lembranças de um ano inteiro. 2012 foi um ano intenso, contudo breve. Foram tantas coisas para fazer, tantas outras aconteceram, tanta gente fina nova que conheci que o registro de todos os fatos ainda não foram totalmente processados. Daqui pro fim de dezembro fica tudo ok.
A intenção desse post não é bem fazer uma retrospectiva de tudo, até porque escrever sobre tudo é chato e cansativo, e sim falar de como em um ano muita coisa mudou. Soa clichê demais dizer que, durante todo 2012, bateu uma saudade do ensino médio, dos amiguinhos e coleguinhas conquistados no três anos anteriores? Soa clichê e repetitivo demais dizer que "ainda não sinto a faculdade como um lugar meu também"? Apesar de amar loucamente o meu curso lindo e encantador. 
O fato é que achei que após um ano na faculdade, o sinistro vazio assustador que habitava a minha essência iria passar. Porém, não, não passou. Ainda sinto como se a qualquer momento fosse me deparar com meus amiguinhos/coleguinhas do IFMA estudando na mesma sala que eu. A realidade é que isso não vai acontecer. Sei bem. A sensação que fiquei foi de abandono. 
Gosto da galerinha que conheci e disso não tenho dúvida, mas fico com a ideia de que o tempo vai passar e nada vai se solidificar. A sensação de que, quando terminar a faculdade, vai cada qual para seu canto batalhar por sua vida e ponto final. Talvez eu esteja enganada, mas, por enquanto, o que ainda fica é a ideia de que a fau é apenas uma sala de espera de aeroporto e que, quando menos esperar, o voo vai chegar e vou partir. 
É até egoísta sentir isso, não sei. Pode parecer que eu é que não estou afim de criar laços mais extensivos. Para o ano que vem desejo que seja breve e intenso também, afinal, gostei desta fórmula. Contudo desejo que esse vazio que me incomoda desapareça e que eu conquiste amigos tão inesquecíveis quanto os que conquistei no IFMA. Ah, vale ressaltar que dois dos meus melhores amigos só conquistei no último ano da escola. Espero, também, tê-los perto de mim por muito tempo ainda. 
Em 2012 mudei bastante. Apesar de me sentir meio só, quase não chorei (o que é um avanço magnífico para manteigas derretidas como eu). Alternância entre preocupações, felicidades, pressões, bom humor, sacrifício, sorriso largo... tudo regado à música e leitura (como poderia ser diferente?). Sinto-me mais contida com pensamentos e com uma tendência clarividente mais aguçada, contudo isso já é outra história. 2012, foi acima de qualquer coisa um ano de aprendizagem continua e experiências extremamente enriquecedora. Foi bom, foi simpático. Agora é fechar pra balanço com uma retrospectiva pessoal intransferível não compartilhada. Até mais...

Aos lindos: Bruno, Beatriz, Manuelle, Diego e Fabiana. 
Aos simpáticos "fausianos": Auricéia, Nubiane, Monique, Marcos, Paula (da minha sala) e Pauliane, Rianny e Rebecca ( do 3º período, agora 4º).

sexta-feira, 7 de dezembro de 2012

Siga esse som...


Dezembro sendo feliz e eu mais feliz ainda por descobrir que  uma música de Homem-Aranha 3, que sempre que ouvia ficava contente, é de Snow Patrol. Então aí está: 

Signal Fire

Snow Patrol

The perfect words never crossed my mind
Cause there was nothing in there but you
I felt every ounce of me, screaming out
But the sound was trapped deep in me

All I wanted, just sped right past me
But I was rooted fast to the earth
I could be stuck here for a thousand years
Without your arms to drag me out

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

No, I won't wait forever (x2)

In the confusion, and the aftermath
You are my signal fire
The only resolution and the only joy
Is the faint spark of forgiveness in your eyes

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

There you are, standing right in front of me (x2)
All this fear falls away to leave me naked
Hold me close, cause I need you to guide me to safety

No, I won't wait forever (x3)

domingo, 25 de novembro de 2012

Novembro

O que foi novembro? Muito amô, eu poderia dizer. E foi mesmo. Fui, finalmente, à Recife. Ainda estou só suspiros por você, Recife. Quero vê, revê e vivê-la novamente, o quanto antes se possível. Saudade define. 
Amo minha São Luís, não nego e nem nunca negarei, mas chegou um momento em que quero sair daqui. Já vivi 19 anos nesta cidade, quero descobrir outros lugares, costumes, pessoas. Quero sorrir aliviada por não ter o peso da vida rotineira nas costas. Impossível? Não sei, mas acho que não. Não estou propondo viver de férias. Apenas aproveitar o tempo livre para conhecer novos ares. 
Torcendo para que todas as férias sejam repletas de viagens, para assim renovar o espírito e voltar à minha cidade com mais vontade de viver, buscar o que há de melhor em outros lugares para usar como exemplo aqui. :D

Siga Esse Som...

Novembro, gracioso todo, veio cheio de surpresas em 2012. Muita coisa boa aconteceu. Então, segue a linda música da Luzia Sales, que reinou bastante este mês. 

Dois Corações
Luiza Sales

Vim ofertar-me a saudade crua
Sob a sombra da lua 
Sobre o igarapé
A dor de quem resta aqui encrua
Na sombra fosca sua
Que torna com a maré
Me apetrechei das canções
mais lindas
Canto suas boas vindas
Pesar faz meu sarau
Barco pesqueiro partiu pra lua
Onde faz sombra sua 
Lua é meu coração

Pai, que desolação
Se assente por aqui
Já deu hora d'eu ir
Roubo-te o ribeirão
Troco o lugar na janela
Troco de solidão

Anunciado o varão temia
No apagar dos dias
Sentir-me fraquejar 
Viver do rio sem fim orgulha
Nunca se farta a fome
Como se falta a gula
Feito desafeição
Usa o que é seu melhor
Pra regar sua ilusão
Se ocupe das canções 
Pode sentar-se à janela
Olhe pras solidões

Se for lhe confortar
Saiba que todo partir 
É ter que retornar
Lembre-se vou voltar
Em todos amanhã

Rio em dois corações.



segunda-feira, 12 de novembro de 2012

Antes que seja tarde.

Achamos que nunca vai acontecer com a gente, mas não... uma hora algo de ruim acontece. É inevitável. Nessa hora não há mais nada o que fazer além de respirar fundo, manter a calma e buscar a solução. Acreditar que tudo vai se resolver e, como sempre digo a todos, vai dá tudo certo. Bem verdade que queria acreditar fielmente nisso, mas não sei. Parece mais fácil acreditar nos outros do que em si próprio. Precisar daquele ponto de apoio, que passe uma eterna segurança, coisas do tipo. Como se, fazendo este tipo de transferência de responsabilidade, fosse adiantar ou ter um efeito mais rápido e tudo se resolvesse num piscar de olhos. Estou com medo, não nego. Apreensiva, assustada e ansiosa também. Normal. Mas vou me tranquilizar, me recuperar, me convencer das coisas boas que ainda virão e que eu tenho que estar presente para vivenciar. Minhas músicas, meus gostos, minhas ideias sempre me restabeleceram do que quer que fosse, dessa vez não vai ser diferente. Não mesmo. E, ao final deste post, já me convenci que o tempo vai dá seu jeitinho e esse meu novo problema vai se resolver. Tratamento e medicina tá aí para isso, não é verdade? rs' Vou ficar bem. :)

domingo, 28 de outubro de 2012

...

Querer. A gente passa a maioria do tempo querendo isso ou aquilo, mas pra quê? A gente perde tanto tempo com vontades que não se concretizam. Temos que fazer tudo certinho, seguir um padrão para um dia chegar à algum lugar. Isso faz sentido? Quer dizer que um dia alguém disse que todo mundo devia fazer alguma coisa pra um dia chegar à algum lugar e todo mundo resolveu fazer isso e mais repetiram para as gerações seguintes que esse é o propósito da vida. Mas será que é isso mesmo? Somos condicionados à isso por meros caprichos sociais? Por que viver não pode ser existir e fazer aquilo que se tem de melhor, sendo respeitado, sem julgamentos? Por que é preciso enlouquecer para chegar ao topo e ser reconhecido? São tantos questionamentos que me fazem cerrar os olhos para a sociedade sem acreditar em tudo que vejo. Fecho os olhos na esperança de sumir deste mundo tão cruel, frio, fugir dessa realidade desastrosas que nos encontramos. Como se fosse adiantar, mas não... Não adianta. Agora, só quero (esse verbo mais uma vez) esvaziar meus sentimentos, ser livre dessa realidade, voltar a sorrir. Encontrar a canção que vai me fazer voltar a viver, embora esteja cansada, acredito que vai ser o caminho para prolongar a minha existência por aqui. 

"Give me something to believe in, cause I don't believe in anything. I wonder if it even makes a difference to try"  Bem assim mesmo. :/

terça-feira, 23 de outubro de 2012

23 de outubro

19 anos. Gente, como assim? Outro dia eu estava com cara de choro na janela da minha sala do maternal, que cheirava a suco de uva e amaciante fofo (favor ignorar o amaciante), e agora estou aqui completando 19 anos.
Ainda me assusto com a passagem de tempo, como os caminhos percorridos e os dias vivenciados. Acho que vai ser assim sempre, já que me vejo como uma eterna garotinha que sabe muito pouco da vida e tem muito o que aprender. 
Enfim, já que não tem jeito mesmo, só espero ser feliz. Que essa idade que vai me acompanhar por 1 ano me traga novas experiências e coisas boas. No mais, é só. :)


domingo, 21 de outubro de 2012

Siga esse som...


Outubro lindo de viver, segue com a minha música favorita do álbum "Fundamental" do Andy Summers (The Police) e da Fernanda Takai (Pato Fu). Linda canção.:D

"Human Kind"
Andy Summers e Fernanda Takai. 

And if we're human kind
Why have we been so blind
This world is making tears

So goodbye blue and green 
And all that might have been
So long, it's late, goodbye

I gaze at the stars and histories end
And tears fill my eyes
As all this may end

The world goes round the sun
And now it's almost done
It's just a dot in blue.

segunda-feira, 15 de outubro de 2012

...

                Do canto de um pássaro fez-se a canção. Alegre como uma risada infantil, doce como um sorvete de chocolate. Com dizeres sobre a vida e seus encantos. Mostrando o surgimento de um futuro a cada nascer do sol.
            Caminhos, aventuras e surpresas seguidos pela vontade de ser feliz descritas em cada verso da canção. Trazendo o alívio aos aflitos e a paz aos cansados de sofrer. Renovando o olhares sobre o viver, despertando a esperança no existir.
                Mostrando a graça do sorrir. Sorrisos que transbordam espontaneidade, elevando a alma e o ser. Traçando diretrizes para a felicidade, mapeando os caminhos do coração. No fim, interligando a razão com a sensibilidade. Suavizando a realidade em rimas musicais.

domingo, 30 de setembro de 2012

Siga esse som...



Mês de setembro foi muito bom, ainda mais porque passei o mês quase todo ouvindo e aprendendo as músicas do Phill Veras. "Lancei" é uma das minhas favoritas. 
Lancei 
Phill Veras

Lancei todo o meu coração
Fiz o que diz a canção
Por querer ser feliz
Dancei, tropecei na escuridão

Fiz e ainda quis ter razão
Mas só quis ser feliz

Não soube da tempestade
A vi junto do sol
Olha aqui fiz o que diz a canção
Lancei meu coração
Por querer ser feliz.



Seeeeteeeembroooooo... bye! ;)

Bem que esse ano não teve aquela história de 'wake me up when september ends' tradicional de todo ano. Também, pudera. Setembro passou tão rápido quanto agosto, pedido meu atendido com muita eficiência. 

Com tantas atividades na faculdade, período do Equinox, viagem de Talita, show do Phill Veras (que foi lindo! Muito amô!) e feira de miniempresas... nem deu pra perceber esse comprido mês passar. Mas, passou lindamente e cá estamos no último dia se preparando para a chegada do mês "mais legal de bom de todos os meses do ano" (onde lê-se outubro). 

Feliz demais pelas surpresas e experiências que rechearam a minha vida este mês. Acrescentando e fazendo sorrisos espontâneos transbordarem de mim. Muito bom ser feliz.


sexta-feira, 7 de setembro de 2012

21 DE AGOSTO


Quanta displicência minha... dia 21 de agosto foi o aniversário do Vasco e eu nem tchum. Não postei ou se quer citei nada à respeito aqui no blog. Agosto foi de fato bem corrido e como eu nem ligo muito para setembro (acho que falei isso ou algo parecido no post anterior) vou postar coisas referentes a agosto agora. Então, vamos a minha homenagem, mesmo que atrasada:

114 anos. Vida longa? Não para o que é eterno.
Vasco da Gama.
Mais que um time... uma história.
Cada dia vivido é uma oportunidade de mostrar o amor e o orgulho de dizer que sou Vasco.
Acreditar na luta e na superação.
Afirmar que sempre irei perpetuar tua história.
Mostrar tua importância, sua glória e o meu amor.
Porque te amo.
Porque és indispensável na minha vida.
Obrigada por me proporcionar tanta coisa e por me fazer feliz.

Parabéns pelos 114 anos e tudo de melhor, afinal, ainda temos muito que viver juntos.  


sábado, 1 de setembro de 2012

Acabou agosto? Já chegou setembro? :O

Agosto, mês do abandono do blog. Vish que passei quase um mês sem postar nada e quase sem olhar. Costumava achar que agosto era um mês extremamente longo, que levava muito tempo para passar e era tipo muito cansativo. 

Só que esse ano não. Foi diferente. Agosto passou que nem me dei conta. Minhas aulas começaram, várias atividades, viagem, aniversário de Talita e puf, acabou agosto. Como assim? Não sei. Sinceramente, estou achando estranho e até engraçado. 

Agora é setembro, outro mês que sempre (já não tenho tanta certeza!) demora. Contudo espero que seja tão rápido quanto agosto foi, porque depois é o mês mais legal de bom de tudo que é mês, que também é conhecido como outubro ou mês do meu aniversário. 

Enfim, espero que setembro seja bom e tudo que tiver que ser resolvido, se resolva e que nada de ruim ou complicado ou confuso ocorra. ;)


sábado, 4 de agosto de 2012

Siga esse som...

Esse mês tem um pouco de Leoni, que vem fazendo parte da minha vida musical nessas últimas semanas. ;) 

Igual a qualquer um 
Leoni

Melhor que eu não te conte novidades,
Nem diga nada muito diferente,
Nem faça teorias sobre a gente,
Nem fale dessa angústia que me invade.

Melhor juntar palavras já testadas:
Amor, Saudade, Beijo, Despedida.
Um saco de figuras repetidas,
Tão gastas que já não te digam nada.

Pois só o que for extremamente fácil,
como as canções de amor do rádio,
Replay de algum clichê, lugar-comum

E nunca retratar a nossa vida,
Vai te deixar feliz e comovida
E te fazer igual a qualquer um.



terça-feira, 31 de julho de 2012

Tempo


           O tempo passa. Passa que às vezes nem percebemos, outras vezes demora que parece que estamos vivendo uma eternidade. Entretanto, o tempo, ele sempre passa.

         Esse primeiro semestre, acreditei que o tempo era, na maioria das vezes, um senhorzinho marrento que implicava com até mesmo com o último fio do meu cabelo. Que estava pronto pra piorar todo dia a minha vida e que todas as dificuldades que me levariam ao fracasso de não concretizar meus planos seriam puramente por falta de tempo.

           Acreditei que o tempo corria só para que eu me ferrasse, que tola eu fui. Onde já se viu pensar que o tempo poderia me prejudicar? Como pude transformá-lo em uma figura humana e culpá-lo de algo que era culpa de pessoas reais, seres existentes que são incapazes de realizar os trabalhos que fazem parte de suas responsabilidades?

          Talvez eu quisesse criar um foco, algo em que poderia descontar toda raiva, angústia... criei no tempo um ponto de equilíbrio. Foi um erro, quem sabe? Meus problemas ainda não foram resolvidos e não, ainda não estou tranquila quanto à isso. Contudo, o tempo se tornou um amigo, de certa forma um ponto de equilíbrio sim, mas não pelos motivos de antes. 

          O tempo levou esse semestre da minha vivência para a minha vida, sendo a partir de então apenas mais uma página escrita no que eu sou. Acho que é assim mesmo, o tempo passou e me mudou. Então, vamos ao próximo semestre, esperando que as coisas melhorem e que o tempo possa me ajudar mais. 


Obs.: hoje fiz minha rematrícula no 2° período da faculdade. Um pouco de felicidade pra mim.                



sexta-feira, 20 de julho de 2012

Férias


Bom, meu primeiro semestre na faculdade se foi. Rsrs' Aprendi coisas fantásticas, convivi com pessoas diferentes, enfim, foi muito bom. É engraçado como a gente se sente feliz quando fazemos algo que nos agrada (bem diferente dos últimos 3 anos). 
Não tô querendo dizer que foi fácil, não, definitivamente não foi nada fácil. Contudo, foi de grande valia. Uma experiência incrível que eu gostei de ter vivenciado. Termino este semestre torcendo para que os próximos sejam tão proveitosos como este, quiçá melhores. 
Contudo, agora é férias. Aê! Esperei por isso há um ano. Até respirar tá sendo mais fácil, sinto-me tão leve.  Férias, eita palavra linda de meu deuso! (kkkk) Felicidade define o estado que meu ser se encontra. Só de pensar em dormir, ler meus livros lindos, acompanhar o Vascão e a Udinese, sair com os amigos mais efetivamente, deixam meus olhinhos brilhando.
Obrigada, você, que um dia teve a feliz ideia de parar por um mês suas atividades rotineiras e descansar um pouco, criando as férias!!! *-*

domingo, 8 de julho de 2012

Felicidade

Felicidade, essa dona mocinha que aparece e some quando menos se espera. Ou talvez, quando menos se queira. Acho engraçado encontrar a felicidade em coisas que, normalmente, passariam total despercebidas.

O que me faz feliz é tão relativo. Às vezes nem é preciso muito esforço para senti-la. Apenas um despertar diferente, uma sensação engraçada que faz com que um sorriso discreto apareça no rosto. Algo com se o coração também sorrisse com a mesma leveza com que os olhos brilham.

É, acho que felicidade é isso, sorrir com o coração. Um sorriso que começa nos olhos e contagia todo o ser. Ser feliz, tentar encontrar a felicidade nem sempre é fácil, contudo fui aprendendo com o que já vivi (não que eu já tenha vivido muita coisa) e com as pessoas que conheci (não que eu tenha conhecido muita gente) que mesmo quando nada mais faz sentido, mesmo quando a esperança parece sumir é possível sim ser feliz.

Assim que eu espero que continue, podendo encontrar nos detalhes aquilo que me satisfaz, o que renova a minha esperança, o que me fortalece e faz com que eu prossiga, sem desistir diante das dificuldades, o que faz com eu meu caminho se ilumine e eu enxergue novas possibilidades. É felicidade, você tem a capacidade de proporcionar isso. 

sábado, 7 de julho de 2012

Meus últimos meses, dias, horas...

Acredito que tudo que nos vem tem um sentido muito maior do que possamos imaginar. Aprendi que nem sempre aquilo que se quer pode se realizar no momento planejado e que nem sempre (na verdade, na maioria das vezes) as pessoas não estão disponíveis a concretizar aquilo que não é do seu interesse, mas que se não for feito pode prejudicar o próximo.

Bem dito que, nestes últimos tempos aprendi a não acreditar no que é feito em acordo, estou descrente de promessas e coisas a fim. Antes de sair por aí confiante naquilo que me dizem, prefiro esperar e me surpreender. Quem sabe algo positivo possa acontecer e um sorriso de satisfação possa pintar no meu rosto desacreditado pela falta de consideração alheia.

O tempo vai passando e a gente vai guardando cada coisa que vivenciamos, a fim de retirar de cada instante, de procurar em cada detalhe algo que possa fazer sentido e que de certa maneira nos mostre caminhos que nos levem ao que de fato queremos.

Não tá fácil passar por tudo sem sentir os arranhões, sem sentir na pele cada pseudo-derrota, sem se decepcionar, desacreditar nas palavras que antes pareciam-me tão fortes, tão inquebráveis, tão confortantes. O que pude perceber é que tais palavras são ditas apenas por se dizer, real valor não possuem, dignidade e credibilidade passam longe. 

Não estou sendo radical, apenas deixei de acreditar em palavras ditas. Não desejo mais ouvi-las, desejo vê-las. Quero que as palavras se realizem, existam, que elas deixem de pairar no céu das letras soltas ao favor do vento para se tornarem vivas, concretas, reais. Quero palavras em atitudes. Palavras em palavras são vãs, não valem, não existem, não há verdade nelas. 

Chega de palavras, já chega de discurso bonito, enfeites e brilhos. Não vou me enganar novamente. Definitivamente, a brincadeira acabou. 

sexta-feira, 6 de julho de 2012

Siga esse som...


Siga esse som de julho vem com "Pra te deixar viver",  conheci esta canção há pouco tempo e logo simpatizei, pois a abertura é semelhante a de Snobs um seriado muito fofo e que amo. A letra me traz algumas recordações. Enfim... vale a pena. ;)                                                                                                                                                          
                             
Pra te deixar viver
Leoni

Pra te deixar viver
Resolvi fazer minhas malas

E pra não te perder

Vou dormir aqui na tua sala

Quem de nós chegou ao fim dessa estrada?

Se em cada curva há um sol por nascer

Vou sentir falta de ninguém

Vou chorar nenhuma lágrima

Descobrir que pra mim também,
Era apenas gota d'agua
Pra me deixar viver...

Pra te deixar viver

Eu preciso abrir uma porta,

Mesmo sem perceber,
Que tua paixão está morta

Quem de nós chegou ao fim dessa estrada?

Se em cada curva há um sol por nascer

Vou sentir falta de ninguém

Vou chorar nenhuma lágrima

Descobrir que pra mim também,
Era apenas gota d'agua
Pra me deixar viver...

terça-feira, 26 de junho de 2012

Amizade.


Acho que o poema abaixo consegue explicar tudo que queria dizer, mas que não tive como reunir tais palavras. Devo agradecer à Alessandra S. L. Nascimento por, de certa maneira, ter feito isto por mim. rs'


Amizade

"Amigos verdadeiros, são para sempre porque...
não importa a distância,
no coração estarão sempre perto.
não importam as diferenças,
no coração sempre terão um ponto de acordo.
não importam as brigas,
no coração sempre haverá lugar para o perdão.
não importam circunstâncias,
sempre haverá um ombro para recostar,
mãos para ajudar,
olhos para enxergar e chorar de alegria e dor,
bocas para expressar as verdades e sorrir.
Amigos, verdadeiros são para sempre, porque
quando dois corações se unem, formando um só,
DEUS se manifesta ali, através do amor
e o amor é mais forte que a morte,
é benigno, paciente, tudo sofre, crê, supera.
não se ufana, nem se ensoberbece, apenas ...ama.
certamente, permanece."


Alessandra S. L. Nascimento

Aos amigos de sempre: Diego Muniz, Fabiana França, Flamilla Pinheiro, Bruno Adrian, Manuelle Serêjo e Beatriz Prado. 

domingo, 10 de junho de 2012

sobre a dona criatividade!



Nos últimos tempos minha vida anda muito corrida, entretanto a vontade de continuar escrevendo aqui não me abandona... é bem verdade que às vezes dá preguiça, faltam ideias e coisas afim. 


Hoje, por exemplo, é daqueles dias em que se tem vontade, tempo, mas não se tem ideias consideravelmente boas. Mas não seja por isso, venho aqui reclamar daquilo que deveria ter e não tenho, ou seja, criatividade. 


Na possibilidade de algum momento surgir algo que valha a pena. Na verdade, tanto faz. Não sei se fará alguma diferença... não, estou errada. Criatividade é algo que pode surgir a qualquer momento e que se houver alguma coisa que estimule, até pode aparecer de forma mais rápida.


Só que não tenho tanta certeza se estou estimulando a minha criatividade de maneira muito eficiente. Na verdade, eu não estou estimulando-a, comprova-se isso pelos meus últimos textos de pura melancolia sobre minha vida que se arrasta no cansaço do viver. Vai passar. Afinal, tudo passa e assim seja.


Depois de tais palavras, pensei um pouco e percebi que há um erro nos meus momentos de vontade para postar algo neste blog (o.O Ok, já tinha dito algo parecido no segundo parágrafo, mas aqui tentarei justificar tal afirmativa. Tenham paciência!). 


Sim, meus caros, percebi que só posto quando o vago vem a minha mente, logo, presume-se que nada de razoavelmente bom vai acontecer. E a ideias, que na incógnita mente minha, parecem ser extremamente legais ( sim, me iludo facilmente com minhas ideias!), só ocorrem em situações que se torna impossível acessar o blog, como por exemplo: no ônibus em pé (amo/sou ter ideias no ônibus), descendo a ladeira da FAU, na hora da aula do inglês e antes de dormir.   


Bem que alguém poderia vir me falando "mas e daí? É só você guardar as ideias pra não esquecer!", como se isso fosse a coisa mais fácil do mundo. Só que nããããoooo... não consigo guardar todas as ideias "legais" que tenho. Então, resta-me torcer para que no próximo post a criatividade venha dá uma forcinha. rs'




sábado, 9 de junho de 2012

...


Às vezes a gente tá gritando, mas ninguém nos ouve. Sinto-me tão monótona apesar de ter tantas atividades, tantas coisas para resolver. Entretanto, nada parece suficiente. A sensação que tenho é que falta alguma coisa. 

Às vezes penso: "não, não é nada demais... só estou cansada e talz"  só que não... sinto como se não estivesse dando o meu melhor, como se não estivesse dando o real valor para aquilo que me propus a fazer. Porém, sei que não é verdade. Acho que estou exigindo muito, só que ao mesmo tempo, acho que estou deixando tudo ao léu e que preciso fazer mais, me focar mais, superar o cansaço e o que tiver que ser superado.

Não sei mais o que pensar, sentir ou fazer. Talvez esteja confusa, realmente muito cansada ou não sei. Parar de me preocupar quem sabe não seja o melhor? Nunca fui de ficar supondo coisas, nem gosto, só que esses últimos tempos tem sido só assim e o que me cansa mais é saber que tô só nessa. Que nenhuma pessoa pode perceber meu sorriso triste ou minhas lágrimas sutis.

Acho que eu acreditava em uma solução vinda de alguém que conseguiria me mostrar outros ângulos. Ângulos estes que não consigo ver agora, só que não... não houveram outras pessoas, não existiram outros ângulos, não apareceram soluções. E continuei só, com minha dúvidas, incertezas, meu cansaço, enfim, comigo mesma.

Mas agora, só me restam as próximas palavras para resumirem meus próximos dias: Nothing really matter, anyone can see. Nothing really matter, nothing really matter to me... e assim que vai ser. 


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Sonhar...


Sonhar. Simplesmente sonhar. Não entender o porquê de sonhar, só sonhar. Sonhar é inerente, sem preconceito, sem distinção, sem limites. Os sonhos não possuem padrões, são até reais.

Expressam de forma mais sincera nossos mais profundos desejos, sem desvios ou intermédios. Nos sonhos somos nossa real imagem, somos aquilo que sentimos. Somos verdadeiramente, naturalmente o que somos enfim.

Nos sonhos, tudo e nada são permitidos. Sonhar vai além do que julgamos ser o ser. Sonhar é um bem fantástico, um momento grandioso e único que deve ser aproveitado da melhor maneira possível.

Sonhar é sorrir diante do choro, agradecer diante do que é desastroso. É relevar o inconveniente, diminuir distâncias, encurtar sofrimentos, é expandir leveza, tornar o impossível possível, acreditar no que não se acredita mais, renovar o que se pensa e repensar o começo, o meio e o fim.

Por vezes, sonhar é um refugio da solidão. Por outras, um espaço de descoberta,  um instante de vida e de viver, de aprender e reconhecer, de respirar, de tranquilidade. Sonhar sempre me ajudou, me motivou, me fez lutar e alcançar meus objetivos. Foi onde encontrei as minhas razões para seguir adiante, onde achei a força pra continuar meu caminho e chegar onde quis e onde quero.

Seguirei sonhando, confiando e respirando com o máximo de tranquilidade que me for permitido. E não desistir de sonhar, independentemente do que ocorra. Sonhar, apenas. 

sábado, 2 de junho de 2012

Siga esse som...

Eu amo/sou conhecer novos cantores e compositores, novas vozes, melodias encantadores, enfim... amo/sou compartilhar isso com quem gosto. Então, no Siga esse som... deste mês é com Arthur Nogueira, um cantor paraense. Com a canção "Mal Secreto".


Mal Secreto
Arthur Nogueira
Não choro.
Meu segredo é que sou um rapaz esforçado.
Fico parado, calado, quieto.

Não corro, não choro, não converso.
Massacro meu medo.
Mascaro minha dor.
Já sei sofrer.

Não preciso de gente que me oriente.
Se você me pergunta.
Como vai?
Respondo sempre igual.
Tudo legal.

Mas quando você vai embora.
Movo meu rosto do espelho.
Minha alma chora.
Vejo o Rio de Janeiro.
Vejo o Rio de Janeiro.
Comovo não salvo não mudo.
Meu sujo olho vermelho.
Não fico parado.
Não fico calado.
Não fico quieto.
Corro choro converso.
E tudo o mais jogo num verso.
Intitulado MAL SECRETO.





sábado, 26 de maio de 2012

Sobre o Vasco...


Há muito tempo não posto sobre o Vasco. É até engraçado ou estranho já que vivencio-o diariamente. Mas enfim, hoje resolvi falar. Agora, acabou de terminar a partida Portuguesa x Vasco, no qual o Vasco venceu por 1 a 0 pelo brasileirão 2012, e senti a necessidade de me manifestar.

Depois de anos, eis que o Vasco retornou a Libertadores! Entretanto, não conseguiu chegar a semifinal. Mas qual o problema? Apesar se não termos sido classificados podemos tirar lições positivas disso. Percebemos que temos um bom time, jogadores de qualidade que possuem sim a possibilidade de disputar e conquistar títulos. 

Erros, falhas estamos sujeitos a isso. Normal de acontecer, entretanto, isso não significa que não possam ser evitados ou corrigidos.  A concentração é de extrema importância e, como já disse indefinidas vezes, se o time não estiver totalmente concentrado, focado, direcionado no jogo ficará muito difícil alcançar o que quer que seja. Como ocorreu na Copa do Brasil do ano passado, fomos campeões, porque estávamos focados, tínhamos objetivos e não foram admitidos falhas. 

Esse ano não temos Copa do Brasil, nem Libertadores, mas temos o Brasileirão que é um campeonato longo e que tá só no começo. Temos muito o que rever, aprimorar, mas estamos no caminho. Admiro e confio na união, na determinação e no comprometimento do grupo que se formou. E fico extremamente feliz com isso, pois com uma equipe unida, a força de vontade tende a aumentar.

Agora, é torcer para que nossos objetivos sejam alcançados da melhor forma possível, por mérito. Que a gente possa ter o devido reconhecimento e sempre, sempre a certeza de que estarei apoiando. Mesmo que não concorde com algumas substituições, jogadas e defesas. Rs. 

Foto:  http://www.vasco.com.br




segunda-feira, 21 de maio de 2012

...

Para mim, sempre houve um inteiro e, deste inteiro, eu não sentia que fazia parte. Talvez seja assim que as coisas devam ser, inteiros que não fazemos parte para que não haja sofrimento. 
Estar sozinha nunca foi surpresa, nem muito difícil para mim. Uma vez que, conviver não era minha melhor opção. Achava que eu sozinha me bastava. Afinal, pra que querer pessoas que não me compreenderiam, não me ouviriam, não concordariam comigo, que enfim, não acrescentariam algo relevante na minha vida ou melhor, que não fariam alguma diferença nela?
Bom, às vezes acredito que pensar assim é um erro e que de alguma forma sempre precisarei de outras pessoas ao meu lado, já que não sei e não posso fazer tudo que preciso pra sobreviver, direta ou indiretamente falando. 
Entretanto, ficar sozinha nunca foi sinônimo de tristeza, fazer o que quero, cantar, dançar, sorrir, falar sem se sentir constrangido e nem regulado. Ser feliz diante das possibilidades sem medo ou remorso. Apenas ser um ser.  Comum talvez, não importa. Viver da forma que convém, que se deseja.  É, simplesmente, viver.

terça-feira, 15 de maio de 2012

Siga esse som...

Siga esse som... desse mês é com Paulinho Moska, uma música muito legal! ;) 


Nunca Foi Tarde

Paulinho Moska



 Ando pela rua a te chamar
Mas na verdade, tanto faz
Porque visto as frases que você me deu
Mas elas não me servem mais
O que aconteceu com seu futuro que era o meu?
Agora não adianta mais me responder
(nem venha me dizer)
Quem passou do ponto onde era longe
E de que jeito era o certo
Porque minha dor sempre se esconde
Mas nunca sai de perto
O que aconteceu com meu futuro que era o seu?

Eu não vou provar do seu antídoto
Que me salva e me condena a me encontrar perdido
Não preciso de você pra descobrir
Que a estrada infinita que tenho que seguir 
Não leva a nada

Começamos o fim... É assim
O melhor pra você, o melhor pra mim
Eu não voltaria mesmo
E você não podia ter ficado aqui
(nunca foi tarde)

E hoje quando amanhece sol
Abro a janela para a chuva
Que coincidência: tua mão
Não cabe mais na minha luva
O que aconteceu com o futuro que morreu?...
Ou nunca existiu?
Você nem olhou pras coisas que admiro
E nem me ouviu
Mas era eu quem te chamava com meu último suspiro
O que aconteceu com o futuro que se perdeu?
(nunca foi tarde).

;)