terça-feira, 29 de junho de 2010

Idade do Céu - Paulinho Moska

Gosto muito dessa música e por algum motivo, que até agora eu não sei explicar, resolvi postá-la. Ela me lembra o IFMA e os Festivais das sextas-feiras, e principalmente da Móbille. Então, espero que apreciem.

A Idade do Céu
Paulinho Moska
Composição: Jorge Drexler; versão: Moska

Não somos mais
Que uma gota de luz
Uma estrela que cai
Uma fagulha tão só
Na idade do céu...
Não somos o
Que queríamos ser
Somos um breve pulsar
Em um silêncio antigo
Com a idade do céu...
Calma!
Tudo está em calma
Deixe que o beijo dure
Deixe que o tempo cure
Deixe que a alma
Tenha a mesma idade
Que a idade do céu...
Oh! Oh!...Oh! Oh!
Não somos mais
Que um punhado de mar
Uma piada de Deus
Um capricho do sol
No jardim do céu...
Não damos pé
Entre tanto tic tac
Entre tanto Big Bang
Somos um grão de sal
No mar do céu...
Calma!
Tudo está em calma
Deixe que o beijo dure
Deixe que o tempo cure
Deixe que a alma
Tenha a mesma idade
Que a idade do céu
A mesma idade
Que a idade do céu...
Oh! Oh! Oh! Oh! Oh!
Ah! Ah! Ah!
Oh! Oh! Oh! Oh!
Ah! Ah!
Oh! Oh! Oh! Oh! Oh!...
Calma!
Tudo está em calma
Deixe que o beijo dure
Deixe que o tempo cure
Deixe que a alma
Tenha a mesma idade
Que a idade do céu
A mesma idade
Que a idade do céu...(2x)
A mesma idade
Que a idade do céu...

segunda-feira, 28 de junho de 2010

Paz e Ética

   

A paz e a ética andam juntas de mãos dadas. Paz significa tranquilidade pública, sossego, silêncio, descanso, ausência de lutas e violências. A ética trata dos problemas de conduta humana do ponto de vista do bem e do mal. Logo percebemos, que através dos conceitos de paz e ética vemos que elas se encontram em situações do cotidiano das pessoas. Ou seja, se você consegue praticar o bem, de forma sincera dentro do meio em que vive, pode ter como reconhecimento a paz.

Por meio da ética é possível ter acesso à paz, pois quem não prejudica a experiência ou a expectativa de felicidade dos outros, traz para si a consciência de que tem sua ética individual e social cumprida e que alcançando a paz interior obtém-se a felicidade.

Sabemos que a paz do mundo começa dentro de cada um de nós, dessa forma se cada um se manter como um ser ético, com princípios que tragam bem tanto para si quanto para o próximo teremos uma sociedade em harmonia.

Embora sejam muitos os problemas a serem resolvidos, com um pouco de respeito, solidariedade e compreensão, princípios necessários para a concretização da ética e de atitudes pacíficas, não haveria dúvida de que as pessoas que fossem tratadas bem fariam questão de retribuir os gestos e passá-los adiante, logo nos permitiríamos caminhar para um tipo de evolução onde as diferenças seriam harmonizadas e chegaríamos à soluções dos conflitos existentes.

Ser ético no mundo globalizado é uma saída para a sobrevivência humana. A globalização do individualismo, do egocentrismo, onde cada um pensa em si mesmo desafiam a ética, pois impõem a necessidade de escolher entre o ser humano e o material. Dilemas impostos por um sistema que por sua própria natureza é anti-ético, pois vive da exploração humana e da privatização de conhecimentos acumulados pela humanidade ao longo de sua história. Claro que esses comportamentos são provenientes do começo da civilização, o que não significa dizer que serão sempre assim, e que por isso, não adianta o quanto que as pessoas tentem, pensem ou sintam que não irá surtir nenhum efeito. Pelo contrário, chegar à paz por intermédio da ética é possível em qualquer situação.

É fácil falar em ética. É fácil exigir ética dos outros. Porém, é difícil ter um comportamento ético, agir com responsabilidade e compromisso social. Evitar conflitos, confusões e discórdia são essenciais para que a paz possa prevalecer. O que acontece é que, por muitas vezes influenciados por questões do cotidiano agitado, as pessoas acabam agindo por impulso.

Mesmo que exista um conceito de ética geral, não se deve aplicar a mesma ética, da mesma forma em situações diferentes, pois nem tudo se resolve da mesma maneira. Por exemplo, a ética utilizada por um médico ao dar um diagnóstico ao seu paciente é diferente da ética empregada por um jornalista na hora de escrever uma matéria sobre determinado assunto. Então, dessa forma podemos constatar que a ética assim como pode, deve se adequar a cada situação. E, por isso pode ser considerada como flexível.

A paz e a ética não podem ser vistas como algo além do que se possa alcançar. O que não é verdade, pois onde houver ser humano, haverá um fio de esperança para que a mudança possa ocorrer.


domingo, 20 de junho de 2010

Futuro.

“A melhor forma de prever o futuro é criá-lo"
(Peter Drucker)
Eu, realmente, não sei o que esperar do futuro. Imagino como desejaria que fosse, mas tenho plena consciência que ele vai ser diferente. Talvez, não custe nada sonhar, imaginar, desejar e criar um futuro.

Às vezes penso em seguir apenas o que meu coração sente, mas infelizmente, o coração também se engana e nem tudo pode( ou deve) ser resolvido com emoção. A razão também deve dar os seus pitacos, na esperança de alcançar um equilíbrio.

Acredito que o futuro não deve ser visto como uma nuvem escura onde tudo é confuso e perturbador. E sim, como algo natural e que numa hora, mas só na hora certa, tudo vai entrar em um consenso.

Por exemplo, quando eu era menor morria de medo da época da 7ª série ( 8º ano), porque eu apenas sabia coisas sobre ela pelo que os outros me diziam, e por mais incrível que possa parecer foi a melhor série da minha vida, a que eu fui mais feliz.

Um dia a 7ª foi o meu futuro, algo desconhecido, preocupante. Hoje ela faz parte do meu passado como algo incrível e marcante. Assim como o ensino médio, que eu pensava que nunca iria chegar e o hoje, o que vejo? Estou na metade dele e não o vejo mais como algo atormentador e demorado.

De agora em diante, existem outras coisas que me deixam com dúvidas. O futuro ainda é o mesmo da garotinha que tinha medo da 7ª série, porém, não tem mais pressa e as concepções e escolhas são bem diferentes.


#ThisIsTheFuture
(Owl City)

sexta-feira, 11 de junho de 2010

Paixão Nacional.

“Bola na trave não altera o placar. Bola na área sem ninguém pra cabecear. Bola na rede pra fazer o gol. Quem nunca sonhou em ser um jogador de futebol? [...]”*

Acho que já foi possível perceber o assunto do post, não é mesmo?! Pois é, isso mesmo, é sobre FUTEBOL: UMA PAIXÃO NACIONAL!!! \o/

Eu, particularmente, amo futebol e sei qual é o melhor time do mundo, ou seja, O VASCO DA GAMA (*-*), mas não será sobre o meu time do coração que vamos falar aqui, ok?!

Atire a primeira bola quem nunca parou na frente da tv para saber o placar de um jogo ou só pra dá uma olhadinha, coisa rápida!!!Não tem como não dizer que nossos dias são mais alegres quando nossos times vencem um jogo importante, ou quando apenas vencem um jogo. Não tem importância, não tem problema. Quando perdem, já é outra história. A tristeza vem nos fazer companhia, mas logo passa quando lembramos que tem outros jogos.

Defendemos nossos times até o fim. Não admitimos que pessoas de outros times falem mal (mesmo que o time esteja realmente indo mal, mas é nosso time do S2!!=]).

E quando chega época de copa do mundo?!Nossa, o coração vai a mil por hora!!!Desde a convocação dos jogadores ( sei que às vezes parece que o técnico estava de ressaca quando os convocou, maaaas... tudo bem!!;D) até o último jogo, ou seja, o grande final onde ficaremos sabendo qual é a melhor seleção do mundo.

Esse ano não vai ser diferente, e hoje, dia 11 de junho, deu-se inicio a mais uma Copa do Mundo. Vamos, todo mundo com suas devidas cornetas, torcer pelo Brasil. \o/

*Trecho da música Partida de Futebol - Skank.

sexta-feira, 4 de junho de 2010

O Caderno \o/

Todo mundo nessa vida tem algo de valor, sentimental que não sabe o que faria se perdesse. Bom, comigo não é diferente.

Esse caderno foi uma das melhores coisas que aconteceu na minha vida nesse últimos tempos. Eu quis falar sobre ele, porque é onde se encontra minhas ideias, meus pensamentos, meus sonhos, enfim, a minha realidade. Talvez seja o meu melhor amigo, ou pelo menos o único que saiba muitas coisas, além do óbvio, sobre mim.

Rabiscar cada página é como se eu escrevesse uma história, a minha história.

Nele, eu sou eu de verdade, sem rótulos e intitulações, sem sentimento de reprovação pelo meu jeito de ser, sem um padrão rígido exigido pela sociedade, sem culpa nem arrependimento.

Expressar-se de acordo com o que vem na mente sem medo. Ser natural e feliz. Nele, sei que não encontrarei respostas, nem conselhos, encontrarei apenas as minhas palavras, apenas me encontrarei.
Muitos dos textos postados, e que ainda serão postados aqui no blog, foram retirados de frases, de pequenos textos ou na íntegra do caderno, que não é um diário e sim uma extensão de mim.

Tenho uma ligação muito forte com ele, por isso, não deixo ninguém se aproximar. Quase nunca eu o levo para a escola, geralmente fica em casa em um lugar especial que eu, também, não vou contar.=]